“Não quero fazer faculdade. E agora?”

Por esses dias conversava com um vizinho, de 17 anos, que parou de estudar há 5. Este ano ele está voltando aos estudos no intuito de fazer um supletivo para terminar ensinos fundamental e médio. Perguntei o que ele gostaria de fazer depois, se faria uma faculdade. Ele respondeu categoricamente que não, que não sentia vontade. Uns dias depois, ao visitar o blog Qualquer Link, encontrei o post Trying to fly against the wind falando sobre a falta de vontade da autora em cursar uma graduação imediatamente após terminar o ensino médio, preferindo investir em outras atividades. E basta uma rápida pesquisa no Google por “não quero fazer faculdade” para ver que estes não são casos isolados. A questão é: fazer um curso superior é realmente necessário?

Yahoo Respostas - Não quero fazer faculdade de nada?

O Ensino Superior: o que é?

De acordo com a entrada correspondente na Wikipédia, o ensino superior inclui estudos, investigação, trabalhos práticos e atividades sociais relacionadas a área escolhida. Já na entrada Ensino Universitário há a definição “ensino mais aprofundado, crítico e teórico”. Ou seja: os estudos de nível superior são aqueles em que há o aprofundamento teórico, crítico, investigativo, prático e social na área escolhida pelo aluno. Fazem parte do nível superior as graduações e as pós-graduações (especialização, mestrado, doutorado).


A situação atual do mercado de trabalho

A primeira resposta que vem a nossa mente é, sem dúvida, sim. Fazer faculdade é necessário. A cada dia o mercado de trabalho se torna mais competitivo, as exigências são cada vez maiores. Ter um curso superior passou a ser diferencial até para se conseguir uma vaga como vendedora em loja de shopping para a temporada de fim do ano (caso verídico). Além do curso superior, também esteja preparado com um ou dois idiomas estrangeiros na manga.

Tão verdade quanto isto é o fato de que nem todos os cargos precisam realmente exigir um nível superior. A não ser, claro, que o curso escolhido pela candidata a vendedora tenha como disciplinas métodos de persuasão, técnicas de vendas e atendimento ao público com sorriso eterno, não há nenhuma utilidade prática que justifique a exigência de um aprofundamento teórico semelhante para um cargo de vendas. De forma alguma desmereço o cargo, por favor. Aliás, deixo claro logo de início que não vejo nenhum demérito em optar por não cursar uma faculdade. Mas as exigências estão aí. E elas resultam em um fenômeno preocupante:

Yahoo Respostas - Não quero ir pra faculdade. O que fazer?

A corrida pelo diploma

O mercado exige, a sociedade exige, nós corremos atrás. Não tem jeito. Se o sujeito ambiciona, por exemplo, um cargo público com salário mais alto, vai encontrar como exigência o curso superior. E se todo mundo faz um curso assim, por que logo o meu filho não vai fazer? A exigência cada vez mais difundida faz com que a procura por cursos de graduação cresça astronomicamente. Ao terminar o ensino médio, como bem ressaltou um amigo, os jovens não são perguntados sobre o que gostariam de fazer depois, mas sim qual curso escolheram. E nem sempre escolheram alguma coisa. Nem sempre o adolescente tem em mente exatamente aquilo em que gostaria de se aprofundar e seguir carreira. Mas se optar por não fazer um curso, não consegue um bom emprego. E então os jovens, incertos, escolhem o curso “menos pior”. O resultado são salas de aula repletas de alunos infelizes, que não gostariam de estar ali e que não têm interesse real no curso. E instituições privadas lucrando em cima disso. Tudo pelo diploma. A cobrança se estende: em diversas áreas, a exigência já não é mais somente a graduação, e sim a pós-graduação ou o MBA.


Fazer faculdade é garantia de sucesso profissional?

Ajuda, muito. Mas não é o único caminho. Uma série de áreas não fazem essa exigência, mas a substituem por um curso específico na área. Como por exemplo, para ser vigilante. Há um curso de formação específico para que a profissão seja exercida, oferecido pelas academias de formação. Para seguir carreira militar também não há tal exigência. Exceto para o cargo de tenente (por favor, me corrijam se eu estiver errada), os outros exigem o curso específico, mas não superior. Para ser cabeleireiro, maquiador, manicure, esteticista e todos os outros cargos tão bem vistos pelo mundo da moda, também não. Mas sempre há o curso de formação. Para abrir um micro empreendimento também não é necessário o título. Certamente você conhece mais de um dono de algum tipo de comércio que não tem seu diploma superior. Mas que soube investir o dinheiro ganho em outros empregos.

“Ah, mas eu quero ser podre de rico igual ao Eike Batista!”

Bill Gates e Steve Jobs não concluíram seus cursos de graduação. Mark Zuckerberg também não (sabe, o carinha que criou o Facebook). Aliás, o próprio Eike Batista não concluiu seus estudos na Alemanha. Sílvio Santos também não cursou comunicação. E o caso famoso do ex-presidente Lula, que gerou bastante polêmica. Para ser jogador de futebol também não precisa. E que tal uma lista com 21 milionários que não terminaram a faculdade?

Yahoo Respostas - Por que a maioria diz que todo mundo tem que fazer faculdade?


Então não preciso estudar mais?

Claro que precisa, pequeno padawan. O que é mandatório ter em mente é que não cursar uma faculdade não significa não estudar mais nada na vida. Longe disso. Em qualquer caminho escolhido vai haver a necessidade de atualização profissional, de estudos e conhecimentos específicos. Novas tecnologias surgem a cada minuto, novas decisões políticas, novas leis, impostos, técnicas de corte de cabelo com marfim afiado retirado da presa do elefante branco de Myanmar. As coisas mudam, evoluem, e precisamos estar preparados. Em resumo, seja lá em qual área for, o estudo vai ser necessário. Nem sempre o estudo formal, nem sempre a graduação, mas necessário.

Não estou fazendo apologia a desistência da ideia de se fazer uma faculdade. Fiz graduação, iniciação científica, estou estudando para o mestrado. E é isto que eu quero para a minha vida. Gosta da área? Tem interesse? Quer aprofundar seus conhecimentos? Faça! Não há motivo para não fazer. É uma experiência muito rica, se bem aproveitada, e que gera grande crescimento pessoal (muitas vezes maior que o profissional). Mas se não é o caso, por que não pensar com carinho nas outras possibilidades?

Outras leituras:

Steve Jobs é burro (será?) – Paulino Michelazzo
Devo fazer faculdade? – AkitaOnRails

Categorias: Café e Prosa | 18/03/2012

Leave a Reply


CommentLuv badge

13 Responses so far.

  1. Pam says:

    Oi!
    Só um errinho, eu quero sim fazer faculdade ._. Eu só quis adiar por um tempo, porque tinha outras coisas que eu queria fazer. Desculpe :(

    ;**

    [Reply]

  2. Thaisa says:

    Conheço um monte de gente que está fazendo pós-graduação em primeiro período de todos os cursos oferecidos pela universidade de tão indeciso que é.
    O problema é que as pessoas substituem realização profissinal por “diploma”. Faculdade realmente não garante o sucesso de ninguém, mas sim o esforço e dedicação. Só acho uma pena que outras áreas das habilidades humanas não sejam devidamente exploradas para serem consideradas profissões dignas (como jogador de futebol) e não “coisa de vagabundo”.
    Sucesso equivale a estabilidade no mundo profissional, infelizmente há pouco espaço para paixão nesse meio :/

    [Reply]

    Bruna Damiana Reply:

    Uma das coisas mais preocupantes é justamente esse “coisa de vagabundo”. Clica nas imagens do post para dar uma olhada em como as pessoas respondem. Isso porque não coloquei um post de um rapaz num fórum em que foi completamente humilhado por dizer que preferia investir o dinheiro em algum comércio do que na faculdade.

    E a falta de espaço para paixão me incomoda, muito. Se você quer ser pintor, escritor, fotógrafo, logo olham com cara feia.

    (E tem o outro lado: um dia posto sobre o verdadeiro “bullying” que eu e alguns poucos colegas sofríamos na faculdade por nos interessarmos e querermos participar das aulas haha).

    [Reply]

  3. Pam says:

    Agora sim :DD

    “técnicas de corte de cabelo com marfim afiado retirado da presa do elefante branco de Myanmar.” RIDEMAIS!

    No meu caso, eu tenho vontade de estudar, sinto até falta UAHUAH Eu preferi adiar por seis meses, pra realmente poder fazer outras coisas, e aí sim, me dedicar à faculdade. Acho importante estudar, desde que não seja só pra dizer que estuda, sabe? Uma coisa que acontece hoje em dia, é que as pessoas não estudam pra crescer na vida, estudam só pra ter um status. Ainda bem que o seu texto é favor do estudo para o crescimento :D

    Bgs, e desculpe a pequena correção ;x

    [Reply]

    Bruna Damiana Reply:

    Pronto, coloquei o reply!

    Primeiro: correção muito bem vinda!

    Com certeza sou pró crescimento. Daquelas que foi cdf a vida inteira por gosto. Acredito que as pessoas devam estudar sim, mas que isso não necessariamente deva ser feito de maneira “institucionalizada”. E que a pessoa não se sinta pressionada.

    PS: Procura elefante branco Myanmar no Google. ;D

    [Reply]

  4. Concordo plenamente. Sinceramente, até não sei mais o que dizer. Em alguns países da Europa o sistema é mais parecido com isso, as pessoas que vão para uma universidade são uma minoria. E eu realmente acho que a maior parte da população realmente não tem condições de ir para uma faculdade, no sentido de se aprofundar nos estudos dessa maneira. As pessoas, em geral, não tem paciência para passar anos estudando um assunto, escrever artigos, dissertações, publicar trabalhos etc.

    [Reply]

  5. Ventura says:

    A questão não é necessariamente a obrigatoriedade da faculdade, mas de um curso em si. Dificilmente alguém conseguirá empregos correspondentes ao desejo consumista, o menor que seja, sem ao menos sentar o bumbum em uma carteira dps no Ensino Medio seja num curso profissionalizante como vc citou, técnico ou mesmo que seja a própria faculdade. Claro, se a pessoa tiver um QI alto tbm ajuda a ter uma vida sem precisar abrir cadernos, mas corresponde a uma minoria de comerciantes de sucesso e bons investidores. Mas daí não adianta se matar nos estudos…afinal, o QI mais alto constatado nos EUA dizem que é de um mecânico. Então, se não temos boas idéias para sair no PEGN domingo de manhã, vamos levar a sério uma profissão que vc goste. Seja ela qual for. Precisando ou não de curso.

    [Reply]

  6. Italo Nievinski says:

    Gostei muito do post, não tenho muito a dizer, além de concordar. Outras coisas que eu poderia dizer tb já disseram nos comentários acima. A nossa sociedade, bem ou mal, é uma pirâmide, pra funcionar precisa-se desde a base até a ponta, com justiça ou não existe essa diferença de remuneração, mas é ilusão pensar que quem está na base desta pirâmide é menos importante para seu funcionamento. De qualquer forma, isso que eu to falando atrai polêmicas e não quero me dar ao mérito de discuti-las. Excelente postagem.
    Bjo pekena!

    [Reply]

  7. pinkperry says:

    Essas coisa de exigência da soiciedade é uma coisa tão louca que, realmente, a pergunta é ‘que curso você vai fazer?’ (pq você não é maluco de não fazer faculdade né!). Meu terceiro ano foi um inferno pois só se falava em vestibular. Mas fiz faculdade, estou fazendo pós-graduação de uma coisa que amo e estou muito feliz, porém existem outras possibilidades, a vida não se resume em faculdade/universidade.

    [Reply]

  8. Eu não consegui fazer faculdade ainda… mas enrolei mesmo porque não sabia o que queria realmente fazer. Hoje já sei o que sou e amo o que faço. Mas na minha área, é dificil conseguir faculdade :( até ia fazer uma esse ano, mas o curso escolhido (Produção Multimídia) nao fechou turma. Ai desisti. No meu caso, só cursos específicos mesmo. O mais complicado, é que na minha cidade não encontro os cursos que quero.

    [Reply]

  9. Bruna says:

    Primeiramente, seu texto é ótimo.

    Agora, é claro que dá para ganhar dinheiro sem ser graduado. Acredito que grande parte dessa pressão é culpa do crescimento de universidades particulares e a publicidade massiva que elas fazem.

    No meu caso, eu quero fazer por vontade própria e ninguém me pressionou para isto, minha familia e meus amigos me pressionaram para arrumar um emprego, mas para estudar não, já que todos sabem que eu gosto de estudar e a busca por conhecimento é algo que flui dentro de mim. E quero pública.

    É claro que se você tiver um diploma seu salário pode aumentar em 800 reais para cima, principalmente se você tem um cargo pequeno em um emprego que arrumou e não tem planos de carreira antes disso, nessas horas qualquer faculdadezinha compensa.

    Meu desejo de entrar em uma publica vem também da experiência que eu posso ter lá. Tenho meus motivos e cada um tem os seus. Essas pessoas deveriam parar de dar importância e tomar as decisões que elas acham melhor para si mesmas, porque quem terá a glória serão elas e quem terá que fazer sacrifícios serão elas também.

    Beijos.

    [Reply]

  10. Natalia says:

    Muito bom o texto. Eu sempre soube que queria fazer Design, gostava de arte e desenho e principalmente por ter começado a trabalhar com freelances pra internet ainda no ensino médio, então pra mim era certo que entraria numa faculdade de Design ou Computação. Entrei em Análise de Sistemas, fiz 3 semestres e notei que meus pais estavam sendo enforcados pela mensalidade, a gente nunca esbanjou dinheiro. Aí percebi que precisava de um emprego melhor (saí do Ensino Medio e logo peguei um estágio numa agência, que me pagava R$350 reais e eu trabalhava 8 horas, estágio deveria ser 6h). Logo mandei meu currículo pra Dell, vai que… né? E 4 meses depois, 1 mês depois de eu completar 18 anos, estava me mudando para a Capital para trabalhar na Dell, na área que eu queria, no site dell.com. O que é que eu podia querer mais na vida??

    Fiquei aquele ano sem faculdade, pois o curso que eu fazia era na minha cidade e eu ainda não estava muito acostumada com Porto Alegre. No segundo ano, fui encorajada de começar Design, mas a maioria das faculdades só atuavam de manhã e de tarde e eu não podia deixar de trabalhar se não como ia pagar? Comecei na única que atendia de noite, e os dois primeiros semestres foram ótimos, os professores eram MUITO BONS. Só que no terceiro semestre a faculdade foi comprada por uma rede que só pensa em dinheiro e virou o caos. Os professores bons brigaram com os ruins, os bons saíram e os ruins ficaram. A qualidade do ensino e do ambiente decaiu de uma maneira absurda e junto o meu ânimo. Fiz mais dois semestres e resolvi trancar, e o resto do drama você já leu no meu blog. :)

    Hoje não trabalho mais na Dell, resolvi sair para tentar outras coisas, mas foi lá que eu descobri o que eu queria fazer, com o que eu gostaria de trabalhar — e existe muita gente nessa área que não terminou faculdade. Gosto daquele post do Akita, que tu colocou nos relacionados, tive a oportunidade de discutir pessoalmente com ele sobre essa questão. Mas ainda assim, indo pro lado mais teórico da área, as pessoas cabeça que conheci concluiram sim a faculdade, e a maioria dá aula em pós-graduação (por isso o meu grande interesse em pós-graduação, ter aula com esses caras). E complicado, mas eu ainda acho que vou voltar para a faculdade, vamos ver o que semestre que vem guarda pra mim :)

    Abraço!

    [Reply]